---------------------------------------------------------
O BALA MÁGICA MUDOU DE ENDEREÇO

Este blog agora faz parte do condomínio
de blogs de ciência Science Blogs Brasil!
Acesse o novo link do Bala Mágica e fique por dentro
do que acontece no nano(bio)mundo:


Comentários não serão mais aceitos aqui no Blogger,
por gentileza dirija-se ao novo endereço.

Aguardo você lá no SBBr!
---------------------------------------------------------

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Híbridos de nanodispositivos e sistemas biológicos existem?

ResearchBlogging.org
Como já comentei aqui, nanochips cerebrais cyberpunk ainda estão muito longe de existir. Mas isso não quer dizer que esforços não tem sido feitos para tentar integrar sistemas biológicos com dispositivos construídos pelo homem na escala nanométrica. Há cerca de 1 mês atrás a Tati Nahas me enviou um link muito interessante e, enrolada que sou, ainda não tinha escrito nada a respeito.

Pois bem, o link em questão é da Nature News - pesquisadores dos Estados Unidos construíram uma plataforma híbrida de nanofibras de silício mergulhadas em uma bicamada lipídica. Essa plataforma é capaz de converter sinais elétricos em sinais iônicos.

Sinais iônicos.... como assim? É que os sistemas biológicos (inclusive você, pequeno gafanhoto) usam uma combinação de gradientes iônicos e potenciais elétricos de membrana como forma de sinalizar coisas de uma célula para outra - é como uma complexa linguagem, que envolve receptores de membrana altamente específicos e fluxos de íons para dentro e para fora das células através de canais iônicos e bombas de prótons.

[Quer um exemplo corriqueiro disso? Certas células de nosso corpo passam a vida jogando íons sódio para fora e íons potássio para dentro - para cada 3 íons sódio transportados para fora, 2 íons potássios são transportados para dentro. Isso cria um gradiente elétrico na membrana celular, porque há mais íons fora do que dentro da célula e, portanto, a parte externa da membrana tem mais cargas positivas que a parte interna da membrana. O resultado disso? Um potencial de membrana! Quando esse potencial se inverte por algum motivo (de forma que a parte interna fica mais positiva que a externa), ocorrem eventos fisiológicos tais como a transmissão de impulsos elétricos entre os neurônios e a movimentação dos músculos. Essa inversão de cargas é o que chamamos de potencial de ação.]

Mas como ocorreu a conversão de sinais elétricos em sinais iônicos? Foi assim: os pesquisadores incorporaram um peptídeo na bicamada lipídica, chamado alameticina (que atua como um poro para íons) e aplicaram um campo elétrico às nanofibras de silício mergulhadas nessa bicamada. Conforme o campo elétrico aplicado, os poros de alameticina na bicamada lipídica que reveste as nanofibras se abriram ou se fecharam. Dessa forma, o fluxo de íons de um lado para outro da membrana foi controlado - o que por tabela resultou no controle do potencial de membrana.

Ainda não há aplicação prática para esse estudo, mas convenhamos que a ideia é bem promissora e faz a imaginação voar...


Uptade 11/09/2009: o tema desse post acabou de sair na última Pesquisa FAPESP Online.

Misra, N., Martinez, J., Huang, S., Wang, Y., Stroeve, P., Grigoropoulos, C., & Noy, A. (2009). From the Cover: Bioelectronic silicon nanowire devices using functional membrane proteins Proceedings of the National Academy of Sciences, 106 (33), 13780-13784 DOI: 10.1073/pnas.0904850106

Leia outros posts relacionados (por assunto)



24 comentários:

Joao disse...

Ola

Post interessante. Bom trabalho.

Dei um voto para voce no ABC. Mas acho que está na categoria errada. Está na categoria cerebro, mente e medicina... O que pendo poderá prejudicar a sua votação.

Joao disse...

Ou se calhar a Saude devia ter sido dividida em partes mais variadas.

Fernanda Poletto disse...

Oi, Joao!

Muito obrigada!!!!! Fico bem feliz com o seu apoio!!!!

Pois é, o foco central do Bala Mágica é a aplicação da nanotecnologia na área médica, mas porque a nanotecnologia é muito multidisciplinar, é invariável que eu acabe falando aqui de coisas - a princípio - não relacionadas à saúde/diagnóstico.

Acredito que o pessoal do ABC juntou Mente e Cérebro com Saúde e Medicina nessa premiação por haver poucos blogs nessas categorias....

(Confesso que fiquei na dúvida quanto à classificação do blog por lá logo que solicitei o cadastro: 1. medicina e saúde ou 2. tecnologia?
Acho que agora não dá mais tempo de trocar por causa da premiação, mas vou pensar no assunto)
:-)

Abraço, Joao, volte sempre!

Fernanda

Anônimo disse...

Fernanda, seu blog é lindo de morrer, cheio, variado, colorido, atual e interessante. Vou até arriscar seu signo: virgem. Se errei é porque não sou astrólogo, mas sei que a virginiana é super caprichosa e detalhista.

E como aqui é ciência pura, e não é lugar de esotéricos, não vou opinar naquilo que não é a minha área.

No entanto, fico deveras admirado em como você consegue se desempenhar em sua belíssima profissão de farmaceutica, coisa que sempre admirei, - mas acabei mesmo sendo Administrador de Empresas e como hobby autor de livros (esotéricos, claro) - e ainda arranjar tempo para manter esse blog nos trinks.

Ah, sim, a propósito, sempre me tratei com homeopatia bem como minha família, cães e gatos, e nos damos muito bem, como milhões de pessoas. Aliás, muitos milhões de pessoas atestam a excelência da homeopatia naquilo ao que ela alcança. Os céticos, no entanto, já lançam mísseis e torpedos demolitórios. Seremos nós milhões de burros porque temos fé no tratamento, ou seremos simplesmente sujestionáveis á melíflua conversa do médico? Mas animais não pensam, e se curam!

E a alopatia não requer igualmente colaboração psicológica do paciente para sua melhora? Que seria então a psicologia, a psiquiatria ou mesmo a hipnologia?

Abraços, e parabéns pelos textos da nanotecnologia, que aliás a magia milenar sempre conheceu e usou com eficiência mesmo sem aparelhos eletrônicos de ultérrima geração!

Carlos Magno.

Fernanda Poletto disse...

Oi, Carlos

Obrigada pela sua visita. Minha formação é em ciência, com ênfase em tecnologia farmacêutica e fisicoquímica de materiais, como fica evidente para quem dá uma olhadinha no meu currículo, ou mesmo nos assuntos desse blog.
Vou confessar publicamente que na graduação fiz a cadeira de Homeopatia para ter uma opinião própria sobre o assunto. E a minha opinião é: não há evidência científica de que a homeopatia funciona. Até porque o material é tão diluído, e tantas vezes, que não sobra molécula ativa nenhuma lá dentro pra contar a história.

Questões de fé não estão relacionadas com o grau de inteligência de ninguém - e eu respeito o fato de que cada pessoa tem suas próprias convicções e isso jamais pode ser motivo de chacota. No entanto, é meu dever profissional esclarecer que cientificamente não há provas de que a homeopatia funcione (ou que a astrologia seja algo concreto).

Mas há estudos científicos que mostram que tratamentos psiquiátricos funcionam. Eu mesma faço terapia há um bom tempo e recomendo.

Há uma forte relação entre nosso estado emocional e nossa saúde. Por exemplo, em momentos de muito estresse, liberamos uma quantidade maior do hormônio cortisol - se ele é produzido em excesso por muito tempo (caso do estresse crônico) nosso sistema imunológico é enfraquecido. Medidas que contribuam para a redução continuada dos níveis de estresse dão uma maozinha ao nosso sistema imunológico e ajudam a manter a saúde.

Volte sempre, ok? ;-)

Abraço,

Fernanda

Anônimo disse...

Carlos Magno diz:

Prezada Fernanda:

Lá no Ceticismo Aberto respondi ao seu comentário sem saber de suas qualificações. Fui saber posteriormente ao clicar seu link. Lá baixam de vez em quando almas penadas que nada sabem e somente ofendem. Portanto, quanto ao seu gabarito técnico, parabéns. Quanto ao ceticismo: posição crítica acadêmica.

Tenho amigos médicos que representam a alopatia e que, como você, fizeram cursos de homeopatia. Eles não só a recomedam como dão consultas. Logo, se há um postulado científico-acadêmico severo e radical da forma como você incorpora e assume eles o desmentem.

Claro está que a homeopatia só tem princípios científicos, mas sua atuação não é idêntica a da alopatia, pois alcança primeiramente campos energéticos acima do corpo biológico antes de responder concretamente ao físico. Não é somente questão de fé, insisto, mas também, e, principalmente, de outro aprofundamente que poderia chamar esotérico, supra físico, espiritual, ou simplesmente da ciência universal.

As melhores e mais eloquentes provas da ação homeopática estão nos resultados e se há fracassos, os sucessos são mais numerosos. Tanto assim que a homeopatia avança sempre e milhões de usuários dela se beneficiam.

Se o academismo não atesta a veracidade da homeopatia através de seus métodos laboratoriais, e a procura ridicularizar sob o epíteto placebo, é porque há um sem número de empecílhos, limitações, interesses e evidente má vontade dos acadêmicos redundantes. Por sinal, a alopatia tem muitos fracassos, quem não sabe disso?

Quanto a psiquiatria, creio em alguns de seus resultados, mas da mesma forma há registros de inúmeros e fragorosos fracassos, pois seus métodos não conseguem, por exemplo, detectar a ação de baixas energias trazidas e manipuladas por agentes não físicos sobre o paciente, que o levam a quadros depressivos e patogênicos. Assim, nesse exemplo de inúmeros casos, não há curas, mas dependências do médico e vícios medicamentosos cada vez mais acentuados. Sem dúvida que o emocional somatiza, o que a homeopatia também não desconhece e nissos atua.

A astrologia é interessante; é milenar, joga com verdades insofismáveis e um elenco de probabilidades que resultam num sem número de acertos. Mas há astrólogos e astrólogos, questão de vivenciar sem preconceitos. E o seu signo é mesmo Virgem?

Abraços.

Fernanda Poletto disse...

Oi, Carlos Magno

Pois é, não é porque alguns médicos a recomendam que a homeopatia passa a ter princípios científicos. Até porque também há médicos que não a recomendam. Você afirmou que os sucessos da homeopatia são mais numerosos que os fracassos. Sou aberta a mudar de opinião, desde que existam evidências plausíveis para tal e você me mostre esses números e suas fontes.

Vamos fazer o seguinte, você me apresenta um artigo que mostre o sucesso significativo da homeopatia frente a um placebo, e que rigorosamente siga o método científico, com N estatístico de acordo e que tenha sido reproduzido por outros pesquisadores e aí eu volto a dar minha opinião, ok?

A alopatia tem fracassos? Claro que tem - mas ela segue uma distribuição normal, ou seja, a maioria dos indivíduos está dentro de uma média de sucesso. Sem essas evidências, não é possível registrar um medicamento alopático nos órgão de regulamentação do governo para sua comercialização em larga escala.

Quanto à astrologia, você já reparou como os horóscopos são vagos? Isso não acontece por acaso. E sabe porque é tão tentador se encaixar nas previsões? Porque o ser humano tem uma necessidade forte de sentir que controla o próprio destino - e nós sabemos que não é bem assim, pois estamos sujeitos a uma série de fatores além do nosso poder que podem modificar nossas vidas.

Me entenda, meu objetivo não é ofender quem pensa de forma diferente. Como já afirmei antes aqui, é meu dever profissional alertar que não há base científica que mostre que a homeopatia funciona.

Abraço,

Fernanda

Anônimo disse...

Carlos Magno diz:

Prezada Fernanda:

O método científico acadêmico jamais reconheceria resultados da homeopatia, nem num só caso ou em cem mil. Simplesmente por isso o cientificismo é cético em relação a homeopatia. Como conciliar resultados reais da maneira como você sugere, se a metodologia acadêmica não entende, não alcança e não deseja admitir? É malhar em ferro frio, prezada!

Admito a dificuldade, mas não a inverdade. Se você deseja mesmo pesquisar, sugiro sites da homeopatia onde há depoimentos e amostragens, ou a buscar em consultórios dos profissionais da área. Resultados positivos há, mas você os aceitaria? Disporia seu tempo para o que demonstra o mais profundo ceticismo?

Não creio que você deseje ofender, pois é notória sua posição radical, absolutamente cética moldada pelo academismo corrente. Posição natural em tantos profissionais da área médica ou da pesquisa, mas não em todos.

E quanto a astrologia, não me refiro a horóscopos manufaturados em revistas e colunas de jornais. Esses são realmente enganações. Falo de profissionais completos, intuitivos e competentes que fazem horóscopos sem badalações.

A questão filosófica da existência e sua realidade concreta são aparentemente opostas. A materialidade e a espiritualidade se conflitam em todas as coisas. No entanto, o crente ou o ateu, o intelectual ou o devoto devem sim se tornar donos de seus destinos e escapar da roda da inconsciência das massas. E isso independe de cultura, credo, raça ou posição social.

Acredite quem quiser; seja livre e liberto quem desejar entender como, quando e onde.

Abraços, e obrigado por me permitir espaço em seu blog.

Anônimo disse...

Olá, Fernanda! Meu nome é Mariana e atuo na área de odontologia. Achei muito interessante o seu posicionamento com relação a homeopatia. É triste notar que as pessoas se medicam e acreditam numa relação falsa de causa-efeito. Li os comentários escritos até então e acho o seguinte: realmente, hoje em dia, graças a evolução científica conseguimos encontrar medicamentos que curam doenças de forma efetiva baseado em estudos científicos confiáveis.
As pessoas precisam acreditar em algo como Deus, conseguir ter fé para ter mais coragem em alcançar algum sonho, mas tem certas coisas que precisam ter limite. O caso da homeopatia é de extrema irresponsabilidade com relação a saúde das pessoas que tem doenças infecciosas sérias. Acho que quando se diz respeito a doenças como Aids, Tuberculose, etc, deve-se ter ética profissional e respeito pela vida do próximo. Eu tenho fé, acredito em Deus, acredito que as coisas não acontecem por acaso, tudo isso. Sou religiosa, mas quando é relacionado a saúde de pacientes não é correto transmitir uma informação ilusória. A responsabilidade com o outro é primordial acima de tudo.

Um abraço,
parabéns pelo blog e sou sua fã.
Mariana.

Anônimo disse...

Mariana, parabéns por sua carreira e pela externada preocupação pelos pacientes e pessoas de maneira geral.

Em relação a homeopatia e naturalmente aos meus argumentos, você não os desejou entender, ou simplesmente entrou na contramão.

Hoje, creio, 99% das pessoas no mundo não vivem sem os recursos tecnológicos da medicina e ciências afins. Nem mesmo os religiosos fanáticos que não desejam transfusões de sangue ousariam desprezar a medicina em suas diferentes áreas.

A homeopatia não tem culpa se as pessoas acreditam nela e em Deus, em almas, espíritos, corpos energéticos e reencarnação. A homeopatia é o que é, e suas autoridades não são absolutamente irresponsáveis da maneira como você coloca, pois sabem que essa ciência não detém o avanço suficiente para suprir a humanidade em todas as suas necessidades. Ela ainda é limitada em tantas áreas e ausente noutras. Mas onde atua vai muito bem.

Quanto às pessoas se auto-medicar,logicamente há os parâmetros. E quem não faz isso também na alopatia? E quantos trogloditas da ciência acadêmica, travestidos de médicos compenetrados e honestos, não praticam monstruosos tratamentos e desnecessárias cirurgias, provocando deliberadamente óbitos somente pelo dinheiro? E seriam por essas aberrações que iríamos condenar toda a ciência e seus profissionais competentes e honestos?

A homeopatia continuará, cara Mariana, e avançará mais até se tornar uma ciência reconhecida e muito mais eficiente. Sabe por que? Porque o mundo avança para além dos domínios dos donos das ciências e dos ortodoxos.

Abraços e sucesso em sua carreira.

Carlos Magno.

Fernanda Poletto disse...

@ Carlos Magno

Como a homeopatia avançará até se tornar ciência reconhecida se, como você afirma corretamente, o método científico acadêmico jamais reconheceria resultados da homeopatia?
Qualquer coisa dentro do escopo da ciência precisa seguir o método científico, senão não é ciência. Pode até ser filosofia, mas não é ciência.

Abraço,

Fernanda

Joao disse...

"O método científico acadêmico jamais reconheceria resultados da homeopatia, nem num só caso ou em cem mil. Simplesmente por isso o cientificismo é cético em relação a homeopatia."

Porque? Fazer uma demonstração cientifica da memoria da agua por exemplo era a garantia de gloria certa para quem o fizesse. Ou que demonstrasse a existencia dos miasmas. Não pode é ser historinha de diz que disse ou viu a tia melhorar. Tem de ser bem feito.

Não da para perceber que se pense que existe uma lista de coisas que os cientistas não podem dizer.

Joao disse...

"E quantos trogloditas da ciência acadêmica, travestidos de médicos compenetrados e honestos, não praticam monstruosos tratamentos e desnecessárias cirurgias, provocando deliberadamente óbitos somente pelo dinheiro? "

Quem quer exigir e bem mais dos médicos não pode permitir dois pesos e duas medidas. Se exigem rigor aos médicos não podem tolerar todo o tipo de alegações dos outros.

Porque um erro não justifica outro erro.

Joao disse...

Fernanda:

Estas conversas não acabam nunca. Porque frequentemente os intervenientes ja têm a sua ideia feita, e não vêm para se exclarecer como se pode ver:

O apelo à evidencia anedotica, o conspiracionismo, o apelo à ignoracia, a falácia do duplo erro...

Sabes o que se costuma dizer? "DO NOT FEED THE TROLL". TOdo o blogue contrai um mais tarde ou mais cedo.

Fernanda Poletto disse...

@ Joao

Do not feed the troll. :-)

Anônimo disse...

Fernanda:

O método científico acadêmico que hoje conhecemos não é tudo. Ele parece ser o dono da cocada preta somente para quem bate cabeça para a santa religião ciência materialista. Tanto é verdade que a OMS admite a homeopatia e a recomenda, bem como a outros alternativos como, por exemplo, acupuntura.

Já vimos essa resistência absurda antes nos meios científicos cristalizados. Foi assim também com a astrologia, com o yoga e até com a fisioterapia. Hoje estão oficializados e milhões os amam e deles auferem benefícios.

Agora está esse problema porque um tal diretor se pronunciou não recomendando a homeopatia para fins de vacina. Ortodoxia clara, interesses obscuros e divisionismo incoerente na organização. E vem os arautos afoitos e aloprados anunciar que a OMS condena a homeopatia.

Mas homeopatia é ciência reconhecida, oficializada, ensinada em universidades em vários países e comprovadamente sob método científico. Se os acadêmicos irados não a aceitam, e alegam não bater com seus métodos de aferição, pior para eles, pois a homeopatia virá prevalecer sobre os preconceitos e sobreviverá às perseguições, o tempo dirá. Sem problemas e sem stresses.

Abraços,
Carlos Magno

Anônimo disse...

João:

Você é bem confuso e burrinho. Vá aprender a ler para saber comentar.

Carlos Magno.

Joao disse...

Ó Carlos...

É que chamares-me burro depois do que escreveste...

A homeopatia funcionar é matéria de facto. Não é uma coisa metafisica ou de escolha normativa.

Ou trata ou não trata. E não trata. Em milhares de estudos se prova que faz o mesmo que placebo. Que por sinal até é mais barato e não enche os bolsos de charlatôes.


A OMS ja não defende a homeopatia ou a recomenda.

A astrologia continua a ser uma pseudociencia, como o criacionismo ou a acupuntura.

Anônimo disse...

Fernanda disse:

"Do not feed the troll".

Não sou burro como o João que não a entenda claramente e nem ortodoxo e obtuso como certos acadêmicos arrumadinhos e teóricos redundantes.

Quem se propõe a fazer um blog e discutir ciências, ou qualquer outro assunto, precisa estar preparado(a) para saber argumentar e respeitar a opinião alheia, qualquer que seja. Pois blog tem de ser democrático, ou vira poeira.

Somente vim aqui porque você foi lá no Ceticismo Aberto me provocar e criticar daquilo que defendo, e deixou o link justamente para isso. Afinal, blog sobrevive pelas visitas e comments anotados. Chego, experimento-a, e comprovo o que tantas vezes já vi tacitamente: "eu lhe amo e respeito se você elogiar o meu trabalho".

Do not feed the troll! Não me enganei, prezada, e finalmente consegui extrair de você a essência de sua intolerância com a sapiência alheia quando difere de seu ângulo de visão. Comum, muito comum. Seu blog é bonitinho, bem arrumadinho etc, etc., como lhe disse lá no início. Mas somente valendo para quem concorde com você. Aí fica fácil.

Abraços,
Carlos Magno.

(Não se preocupe, já estou apagando o Bala Mágica de Meus Favoritos, e nisso me demorei mais do que de hábito)

Fernanda Poletto disse...

Oi, Carlos

Concordo com o Joao quando ele afirma que essa é uma discussão sem fim. É mesmo - daí o "do not feed the troll", que achei engraçado (posso trabalhar com ciência, mas nem por isso deixo de ter bom humor). Deixei o link no Ceticismo Aberto porque assino embaixo de tudo o que escrevo. Como já afirmei antes, a intenção não é ofender - aliás em nenhum momento fiz isso com você, não é?

No entanto, quem fica decepcionada sou eu - pensei duas vezes se publicava teu comentário que ofendia pessoalmente o Joao, mas no fim achei melhor publicá-lo pois esse é um espaço público.

Mesmo apagando o blog dos seus favoritos, pode voltar sempre que se sentir à vontade, ok? (não estou sendo irônica)

Abraço,

Fernanda

Anônimo disse...

Joâo, infelizmente vou precisar repetir para você.

Você não sabe ler, nem interpretar; é confuso e escreve mal pacas! Os milhares de experimentos ou testes que você alega terem acontecido, onde estão? Quem os fez? Pode mostrar-nos?

Será mesmo que os acadêmicos ortodoxos e a serviço de organizações poderosas iriam gastar milhares de horas em testes da validade da homeopatia para comprovar aquilo que já tinham definido - Placebo? E iriam se embasbacar se as coisas não corressem conforme planejavam? Isto é, em tendo feito de fato os alegados milhares de testes - que não fizeram - resolveriam mesmo trazer a público o outro lado da moeda?

Não existe conspirações? Ah, bobinho, ou você não conhece nada de economia mundial e das grandes oligarquias que mandam no mundo ou somente gosta de ler Branca de Neve e os Sete Anões! Boa leitura!

E quem disse que a OMS descarta a homeopatia? Somente um diretor não a recomenda para efeitos de vacina. Outra vez você demonstra não saber ler.

Fui!

Carlos Magno.

Joao disse...

Fernanda:

Talvez tenha sido um pouco rude, mas a homeopatia é àgua. Não estou a ver como é possivel ter uma conversa séria sobre a sua eficacia como medicamento.

E ja havia alusoes a assassinatos médicos, historinhas de sucesso como evidencia cientifica e explicações esotericas de niveis de energia invisiveis para o formado em ciencia.

Anônimo disse...

Carlos! No meu ponto de vista acredito que é preciso existir para um melhor resultado uma inter-relação entre tratamento médico e colaboração do paciente com respeito ao cumprimento de toda a instrução médica e alternativas para não permitir que haja uma queda no sistema imunológico. A homeopatia até hoje foi vista como efeito placebo. Não existem referências com estudos em indivíduos que apenas a homeopatia curou doenças ou mesmo em conjunto com outros procedimentos.
Um abraço,

Mariana.

Fernanda Poletto disse...

Oi, Joao

Sobre essa discussão entre ciência e pseudo-ciência, acabo de ler um texto excelente do Roberto Takata.

http://www.observatoriodaimprensa.com.br/artigos.asp?cod=320OFC002

Vale a leitura.

Postar um comentário

(comentários no Blogger não serão mais aceitos)

Você quer deixar algum comentário aqui no Bala Mágica? Então dirija-se ao novo endereço, no Science Blogs Brasil. Lá você encontrará essa mesma postagem, e seu comentário poderá ser publicado. Obrigada!